Viajem para os EUA – Trecho Curitiba->Guarulhos

 

Depois de um ano de planejamento, comparações de preços, planejamento financeiro, renovações de passaportes,o processo do visto americano e muito empenho, uma noite me separava do tão esperado embarque.

A confirmação dos horários de embarque que fiz dois dias antes se mostraram muito importantes, pois o horário do voo foi alterado há poucos dias do embarque para 4 horas antes. Ou seja: Se não tivesse me informado da atualização, chegaria no aeroporto horas depois do voo ter partido.

Acho que neste trecho a informação importante diz respeito ao horário de chegada no aeroporto. Para voos internacionais, chegue com pelo menos 3 horas de antecedência. É muito? Normalmente sim, mas minha cidade estava em obras para a copa na época da viagem e somando isso ao fato de ter de chamar um taxi às 4 da manhã, colocam uma boa gordura. Seria uma tragédia planejar uma viagem durante todo esse tempo e perder o voo por alguns minutos.

Como minha viagem tinha vários aeroportos e várias esperas por voos, resolvi comprar no aeroporto mesmo um livro, o que se mostrou uma decisão muito acertada. Li praticamente todo o livro “Inferno” do Dan Brow, durante a viagem.

Como comentei no post principal, para economizar os voos dentro dos EUA, estava levando apenas a bolsa do Notebook e uma mala de bordo, pois você paga $25 por mala despachada nas companhias dos EUA.

Para voos internacionais não tem dessa de check-in pela internet. Tem de ir no balcão mostrar o passaporte para a atendente. Ela olhou para minha mala de mão e disse para colocar na balança. Eu argumentei que iria levar na cabine mas ela foi irredutível quanto a pesar.
Coloquei na balança e ela:

– Tem mais de 5KG. Vai ter de despachar.

– Mais moça. Normalmente são 10Kg para mala de bordo!

Mas não teve conversa! A contra gosto tive de despachar a mala, o que me gerou duas preocupações:

+ Se extraviarem minha mala, será um problemão, pois além de ficar sem uma cueca sequer, no outro dia bem cedo iria para Nova York e lá estava -9º!!;
+ Será que eu li alguma coisa errada e o limite é e 5Kg pra todos os voos? (Não… não havia lido errado, como vc vai ver mais tarde 🙂

A vantagem é que você despacha a mala aqui e só pega ela lá em Miami. Não ia precisar carregar a mala para cima e para baixo nem aqui nem em Guarulhos. Ah! E claro. Se você só fizer escala em Miami, terá de pegar a Mala em Miami e depois despachar para o seu destino interno. Questão de segurança internacional.

Depois desse pequeno imprevisto, a passagem pelo raio-X e a sala de embarque.

A sala de embarque é aquela padrão dos aeroportos brasileiros. Desorganizada, lotada em com uma lanchonete de preço super faturado. Qual é? 7,50 por uma coxinha? 🙂

Algumas páginas do Livro depois, chamaram para o embarque. Enquanto caminhava pelo “finger”, dei a última olhada pela janela para minha cidade, pelo próximos 10 dias.

Ignorei o frio na barriga e fui em frente 🙂

Próximo: Clique aqui para o próximo trecho. Guarulhos->Miami


O Finger do aeroporto de Curitiba tem o formato das “estações tubo” da cidade

Como encontrar hotéis baratos nos EUA

 

Assim, resolvi escrever aqui como eu fiz para tentar encontrar os hotéis baratos nos EUA.

No entanto, note que a questão do “barato” é muito relativo. Se você tem dois hotéis, onde um deles custa $100 a diária e te dá conforto, ambiente limpo e equipe simpática e outro, que custa $50 a diária, mas é sujo, inseguro e mal localizado, o segundo acaba sendo mais caro do que o primeiro.

Assim, por favor leve em consideração que quando escrevo esse post, eu levo em consideração AS MINHAS prioridades, e isso vai variar de viajante para viajante, de quem te acompanha (se viaja com família ou sozinho) e do tipo da viagem.

Minhas premissas são de que o quarto de hotel não é muito importante durante viagem de férias, pois a ideia de é justamente ficar o mínimo possível no quarto.

Em contrapartida, não abro mão de limpeza. Quarto sujo ninguém merece.

Isso posto e contratado, como disse, sempre que vou viajar, eu sou meu agente de viagens. Com o advento da internet e de sites como o Booking.com o serviço ficou muito mais simplificado.

 

Sobre os sites de reserva de hotéis

Uma coisa que sempre me chamou a atenção nesses sites é que eles conseguem, muitas vezes, oferecer preços menores do que se você ligar direto para hotel. Não fazia muito sentido, até que tive a chance de conversar com um amigo, gerente de uma grande rede de hotéis aqui de Curitiba e ele me explicou que empresas como o booking.com “compram” pacotes de reserva de quartos do hotel (digamos 20% da ocupação do hotel) e pagam adiantado, recebendo um bom desconto. Isso é um baita negócio para o hotel e o booking.com pode revender essas reservas pelo preço que quiserem. Todo o risco fica com o booking.com, se eles não venderem, o prejuízo é deles e não do hotel. Dessa forma, todo mundo ganha, pois o booking.com acaba oferecendo as diárias por um valor menor que do “balcão”.

Assim, os sites de pesquisa de preço de hotéis é um ótimo lugar para começar. E se você tem dúvida se funciona, a resposta é um categórico SIM. Já fiz muitas reservas pelo booking.com e nunca tive grandes problemas e, os pequenos problemas que tive, consegui identificar a razão para não cometer os mesmo erros.

Os enganos ao reservar hotéis com o booking.com se resumem, no meu caso a dois:
– Esquecer de levar o papel da reserva impresso: Isso causa uma baita confusão na hora do recepcionista do hotel achar sua reserva. Então sempre apresente a reserva quando chegar no hotel.
– Reservar um quarto família, quando viaja com uma criança menor de 6 anos: Quando você busca um quarto para casal+criança menor de 6 anos, o sistema do booking.com automaticamente te reserva um quarto para duas pessoas, contando que a criança vá dormir na mesma cama dos pais. Ja mé aconteceu várias vezes de chegar no hotel e eles nem saberem que tinha uma criança junto. Então, se você quer cama separada para sua filha, reserve para 3 pessoas. Ou ligue para o hotel deixando claro que você vai precisar de uma cama extra. Muitas vezes nem cobram extra, mas eles podem te cobrar por essa cama extra, então já fique avisado.

Como escolher hotéis bons e baratos?

Penso que duas palavras definem bem como encontrar os melhores hotéis pelo menores preços:

Localização e avaliações.

Se você já está com a vida ganha, tem grana sobrando e sempre quer ficar nos hotéis mais famosos e bem localizados, não importando o preço, lamento mas este post não é para você 🙂

Agora, se o seu esquema é arrumar um hotel bom, com um preço justo, mesmo que isso signifique abrir mão de localização, da marca do hotel, etc, posso te dizer que a localização é um dos itens que mais encarecem o preço da diária.

Não vou nem entrar na questão das datas, pois você deve saber que me feriados prolongados e datas comemorativas (reveillon, natal, etc) os preços vão para as nuvens.

Vamos falar sobre 3 locais nos EUA onde pude notar bem essa questão da localização.

Como escolher um hotel bom e barato em Nova York?

– Como escolher um hotel bom e barato em Las Vegas?

– Como escolher um hotel bom e barato em Miami?


 

 

 

Como alugar um carro barato nos EUA.

Se você está vindo de outra página, talvez queira ler o post sobre Como viajar para os EUA pagando menos, que foi a raiz de todos esses post sobre viagem para os EUA.

Bom gente.

Talvez você não saiba, mas não é novidade que o EUA é um país feito para se andar de carro. Isso pode ser visto no preço de um carro, no custo da gasolina e na infraestrutura das rodovias e estradas.

Dessa forma, em muitas cidades que você for visitar, ter um carro pode ser a diferença entre uma estadia de sucesso ou uma completa furada.

Na última viagem, estive em Miami, Las Vegas, Los Angeles e Nova York e, de todas essas, a única cidade na qual não recomendaria o carro alugado seria mesmo em Nova York, onde o Metrô me atendeu completamente.

Então, a partir do momento em que vc decide que vai fazer uso desse recurso, se você nunca alugou um carro, várias dúvidas vão surgir e, a ideia e esclarecer algumas delas aqui:

Como comprar passagens mais baratas dentro do EUA

 

Acho que o grande truque aqui é não depender dos sites brasileiros para fazer a reserva das passagens. E isso, por um simples motivo: Eles cobram uma taxa pelo serviço, que no meu caso, quando estava fazendo pesquisas, chegou a R$200.

Assim, a saída é você comprar direto dentro dos sites americanos. Uma tática que eu gosto de usar é pesquisar nos sites brasileiros, ver em qual companhia aérea eles conseguiram o menor preço e ir direto no site da empresa americana. A maioria delas oferece páginas em português e mostram os valores em BRL (Reais).

Olha a comparação entre dois vôos de Miami para Nova York, na mesma data. Os dois pela United Airlines. O primeiro, cotado pela SubmarinoViagens, coloca R$200 de encargos e carrega um pouco na taxa de embarque. E olha que eu nem pesquisei direito. Só peguei o primeiro resultado que apareceu!!!

 

 

Só nessa pesquisa, a diferença é de R$ 159,11 no mesmo serviço e acredito que dá para fazer essa diferença ser de quase R$200 se você utilizar serviços como o priceline.com, mas como o priceline em inglês, compreendo que isso pode assustar aqueles que não dominam muito o idioma. De qualquer forma, no Priceline ele arrumou passagem pela US Airways por U$139,50 (ou R$320,85 + 6,38% de iof=R$341). A economia já está em R$180. Como comentei, esses foram resultados de uma pesquisa bem rápida, sem se aprofundar em detalhes de datas e promoções, o que pode fazer uma grande diferença. É só o básico, mas muita gente não faz esse básico.

Bom gente. É isso. Espero que o texto seja de utilidade.

Se você tiver alguma dica sobre como comprar passagens aéreas nos EUA pagando menos, por favor deixe suas dicas abaixo!

Abraços

Luciano

 

 

Passando pela segurança nos aeroportos Americanos (Sem Stress)

 

– Os itens não podem ser de vidro (Eu comprei uma bombinha plástica e coloquei uma quantidade do meu perfume preferido. Achei em loja de 1,99)

– Cada frasco não pode ter mais do que 100ml ou 100gr.

– Todos os itens tem de caber folgadamente dentro de um pacote plástico, tipo ZIPLOCK, de no máximo 20x20cm.

 

Aí, o esquema é o seguinte quando for passar pelo Raio X:

 

– Tira o notebook de dentro da bolsa e coloca em caixa separada.

– Tira o pacote com os produtos e limpeza e coloca na caixa também (coloquei junto com o notebook e não deu problema)

– Tira os sapatos e coloca na caixa também.

– O cinto eu tirei nas primeiras vezes, mas resolvi tentar passar com o cinto e, apenas em uma oportunidade o guarda pediu para “apalpar” meu cinto.

– Tira moeda, carteira, etc e coloca tudo na caixinha.

 

E acho que não precisa dizer que se tiver tesoura, canivete, faca, etc, será convidado a jogar no lixo o item antes de embarcar, né?

Como viajar para os EUA pagando pouco

 

 

Meu objetivo é o seguinte: Quero ir para os Estados unidos durante 10 dias, passar por Nova York, Las Vegas e Miami e Los Angeles e gastar menos de R$3000,00 ou U$1200, incluindo:

– Passagens

– Taxas de Embarque

– Hotéis

– Combustível

– Aluguel de veículos

 

Não estão incluídos na conta:

– Alimentação

– Compras e presentes

– Despesas imprevisíveis.

– Vistos e passaportes

 

Resolvi dividir dessa forma por três motivos:

1- É uma forma eficiente de comparar preços, pois tudo que está na lista é o que você compra, quando opta por um pacote de viagens, através das operadoras.

2- Alimentação e compras variam de pessoa para pessoa e, se a ideia é apenas conhecer o país, esses itens podem ser deixados em segundo plano, pois você não precisa fazer todas as suas refeições em restaurantes badalados, resolvendo o problema com lanches.

3- Passaporte e Vistos: Você pode já ter (ou não) passaporte e visto para os Estados unidos. Vou incluir aqui um passo a passo de como tirar o visto, como fazer o passaporte e como foi minha experiência nesse processo, bem como os custos envolvidos, para te balizar.

Outro ponto que considerei como importante para mim, foi sempre ficar em hoteis com categoria mínima de 2 estrelas, quarto e banheiro privativos e não considerei os Hostels ou albergues então, se você topa se hospedar nesses tipos de locais, ainda pode eonomizar mais um pouco.

 

Apenas como comparativo, um pacote pela Decolar.com, apenas para miami, para ficar 10 dias, na opção mais barata, para o mesmo período que vou ficar (março) ficou em R$3800. Quase o dobro do valor, sem aluguel de carro e sem as passagens aéreas para as outroas cidades.

 

Mas então. Qual o segredo?

No meu caso, planejamento!

Não tem milagre, se você decidiu viajar hoje e quer ir amanhã, você vai pagar muito mais caro por isso. Planejamento é dinheiro!

 

Minha viagem começou a um ano atrás, quando coloquei na cabeça que queria conhecer os EUA. Só que apenas as passagens para os EUA custam R$2mil, se for comprar avulso.

Dessa forma, as passagens de ida e volta saíram completamente de… milhagens.

 

Milhagens: Dinheiro vivo.

 

Muita gente já sacou a vantagem de participar de um programa de milhagens. No meu caso, eu participo do Multiplus, através do meu cartão de crédito, que me dá um ponto para cada dólar que eu gastar. Uma grande sacada é descobrir formas de acumular pontos em cascata, ou seja, pontuar mais de uma vez pela mesma compra. Como? Aqui um exemplo:

 

Eu gasto cerca de R$150 de combustível por semana e pago sempre no cartão de crédito (70 pontos/semana). Abasteço sempre no mesmo posto Ipiranga, que tem os KM de vantagens, e que só serve para alguma coisa porque dá para trocar por pontos múltiplus! (Então são mais 150 pontos). Só que, se for seu “Posto preferido” a pontuação é dobrada (+150 pontos). Então, por semana, são 370 pontos. Isso multiplicado por 52 semanas são 19240 pontos. Uma passagem para Miami por ser “comprada” por 25mil. Assim, apenas o abastecimento do meu carro (que eu teria de fazer de qualquer forma) já me deram praticamente a passagem de ida. Só que a gente não compra só gasolina. Quando vou ao mercado, eles não me dão desconto se eu comprar em dinheiro, débito ou no crédito. Então, vou no crédito. Eu gasto cerca de R$400 de mercado por mês. São mais 190 pontos, ou 2280/ano. Já me habituei a perguntar: Tem desconto à vista? Não? Então pode passar no crédito mesmo.

Claro que isso só funciona se você gastar no cartão o que tem condições de pagar quando chegar a fatura. Não adianta carregar no cartão e entrar no rotativo. Aí é buraco!

 

E claro, se você costuma voar, as milhas são somadas a essa conta.

Acabei, no fim de um longo período colhendo milhas, com 51mil pontos no multiplus.

Antes de trocar as passagens de ida e volta para os Estados Unidos, deu uma geral na documentação necessária, pois estava com o passaporte vencido e não tinha visto para os Estados Unidos.

 

Vou deixar aqui um link para cada um dos procedimentos, para quem quiser saber como funciona, pois é uma aventura à parte:

Como tirar o passaporte.

– Como tirar o Visto para os Estados Unidos

 

Com o passaporte e o visto americano em mãos, parti para a escolha das datas de ida e volta. Eu sabia apenas quanto tempo poderia ficar. O céu era o limite até 10 dias, que era o crédito que eu tinha de férias :-).

 

E foi então que eu descobri, a duras penas é verdade, algo muito importante: A quantidade de pontos necessários para uma passagem internacional pode variar 50mil pontos em apenas 24 horas.

 

Isso porque eu entrei para fazer a compra das passagens de ida e volta durante um período de promoções da TAM. Imagina o susto que eu tomei depois de ter planejado tanto para juntar 50mil milhas, que dariam para trocar por duas passagens de 25mil e, na hora que fui fazer a troca só tinha UMA data de vôo por 25mil e mais nehuma de retorno.

Decidi então arriscar: Troquei a passagem de ida para Miami sem ter a passagem de volta garantida, na esperança de que houvesse alguma promoção e eu conseguisse comprar, mesmo com dinheiro, uma passagem de volta.

E qual não foi a surpresa, logo no dia seguinte, quando fui entrar para dar uma olhada nas passagens disponíveis e vi que haviam VÁRIAS datas de retorno de Miami para o Brasil por 25mil pontos!

Então a lição é: Os preços das passagens em milhagens podem variar em um intervalo de 24 horas. Assim, se você não encontrou a passagem que desejava pelo preço de milhagem mais barato, continue acessando o site que os preços podem mudar.

 

Assim, o itinerário internacional ficou dessa forma:
Ida: Curitiba->Belém->Miami (05/03/2014)
Pontos Múltiplus: 25Mil
Taxas: R$ 123,00

 

Volta: Miami->Manaus->Guarulhos->Curitiba (14/03/2014)
Pontos Multiplus: 25Mil
Taxas: R$36,00

 

Assim, a ida e volta para os EUA custaram míseros R$159

 

Com a ida e volta resolvida, era hora de tratar das viagens internas. Eu quero conhecer Miami, Nova York, Las vegas e Los Angeles. Dessa forma, decidi que iria apenas chegar por Miami, dormiria lá e cedo iria para Nova York, deixando para fazer as compras em Miami apenas na volta, para viajar o mais leve possível.

 

Como comprar passagem barata dentro dos EUA?

 

Comecei a pesquisar as passagens dentro dos EUA e a primeira descoberta que fiz foi: Vá sem bagagem!

 

Isso porque para cada trecho aéreo, pelas companhias que tem as passagens mais baratas, se você despachar qualquer mala, vai ter de pagar US$25 por mala despachada.

 

Assim, optei por fazer toda minha viagem utilizando apenas a bagagem de mão.

 

Então como funciona a bagagem de mão nos Estados Unidos?

Para a bagagem de bordo ou de mão, existem algumas limitações, que variam de empresa para empresa mas que, basicamente, são as seguintes:

– Uma mala, com as medidas máximas de  55cm X 40cm X 20cm e 10Kg.
– Um bolsa (mulheres) ou uma bolsa para notebook (nessa dá pra levar algumas coisas pequenas dentro também, pois não é tão rigoroso e a palavra “Notebook” parece abrir várias portas para essa bagagem 😉

– Um livro,casaco ou objeto pessoal.

 

As desvantagens de se viajar somente com bagagem de mão são algumas:

– Você tem menos espaço para suas roupas;
– Se você estiver indo durante o inverno para lugares frios, poderá inviabilizar essa opção;
– Durante seus deslocamentos a quantidade e tamanho das lembranças que quer trazer pode ser comprometida.
– Você tem de tomar cuidado dobrado com produtos de higiene que vai transportar, pois existem regras rígidas sobre o que você pode trazer na bagagem de mão. Assim, vou falar um pouco mais sobre elas:

 

 

Leia aqui como passar pela segurança do aeroporto, com bagagem de mão, como um profissional 🙂

Passando pela segurança nos aeroportos Americanos (Sem Stress)

Agora, as passagens dentro dos EUA já foram compradas e, surpresa!!!! É muito mais barato viajar dentro dos EUA do que dentro do Brasil.

Apenas como comparação, o trecho entre Nova Yorque e Las Vegas leva 5h de voo e com 4mil quilômetros de distância. Corta os EUA praticamente de costa a costa. A passagem custa pouco mais de R$400. A mesma distância no Brasil daria para viajar entre São Paulo e Macapá e a passagem entre essas duas localidades sai por “apenas” R$1800,00

Acabou ficando assim o resumo da viagem e, cabe um alerta: A TAM fez o favor de trocar o horário do meu Voo de ida. Ao invés de sair de Curitiba às 10:35, puxaram para às 7:30. Resultado: Tenho de estar no aeroporto às 4:30. E não vou mais por Manaus. Agora vou por Guarulhos mesmo. Então o alerta é para ir acompanhando as mudanças de horário. OBRIGATÓRIO checar os horários com pelo menos 72hrs antes de partida para não ter surpresas.

O itinerário fechou assim:

Dia 5 – Curtiba->Guarulhos->Miami
Dia 6 – Miami -> Nova York
Dia 8 – Nova York -> Las Vegas
Dia 11 – Las Vegas -> Miami (houve uma pequena alteração aqui, que vou comentar mais abaixo)
Dia 14 -> Miami -> Guarulhos -> Curitiba

Assim, o orçamento final ficou em:

– Passagens Internacionais: R$159,00
— Miami->New York: R$267,15
— New york->Las Vegas: R$ 498,00
— Las Vegas->Miami: R$502,00
– Total: R$1426,00

Se fosse comprar pela Decolar.com ficaria:
– Passagem internacional: US$ 914 (R$2193,00)
– Passagens regionais:
–Miami->New York: R$485,00
–New York->Las Vegas R$578,00
–Las Vegas->Miami: R$ 729,00
— Total pela Decolar: R$ 3985,00

 

Diferença: R$ 2559,00


Trecho Internacional pela Decolar.com

Então, de onde vem essa diferença?Além das milhagens, também das taxas que as operadoras cobram para intermediar o serviço, nas compras das passagens regionais nos EUA. Nas minhas pesquisas, teve empresa que chegou a cobrar R$250 pela taxa de UMA passagem. Assim, não deixe de ler o artigo de como comprar passagens mais baratas dentro do EUA.

Agora, vamos para o próximo passo:

– Como alugar um carro barato nos EUA?

A verdade é nua e crua: Carro e Gasolina são muito mais barato nos EUA do que no Brasil. É um choque! O “pulo do gato” na locação do carro são os seguros e os serviços extras que eles tentam embutir na hora que você vai pegar o veículo.
Aqui, o truque é ver com sua operadora de cartão de crédito, qual é o seguro que ela oferece, quando você paga a locação usando o cartão. E não tem escapatória. Você vai precisar de um cartão internacional para dar a garantia da locação do veículo. Normalmente esse seguro cobre apenas o carro e o motorista. Sobra o seguro contra terceiros, que não vem na cobertura do cartão. Aí, tem de contratar separado. Eu até tentei argumentar com o atendente da Dollar Rent a Car que não queria o seguro contra terceiros, mas ele foi tão veemente que acabou me convencendo. Custo: U$ 13 por dia. Assim, a locação do meu carro em Las Vegas ficou em $23(carro)+($13). Total: $36/dia por um Mitsubishi Galant. Total: U$108 (R$260) pelos 3 dias. Paguei mais ou menos isso também em Miami, pelos 3 dias do carro.

Não deixe de ler o post completo sobre Como alugar um carro barato nos EUA.

Assim, o orçamento está agora em:
Passagens: R$1426
Carros: R$ 520
Total: R$ 1946,00

Bom.

Acho que agora só faltou falar sobre os Hotéis. Então, como reservar hotéis baratos nos EUA?

Penso que essa resposta é: Varia com o local. A verdade é que a localização do hotel determina muito do preço que você vai pagar.
No caso de Nova York, ficar fora de Manhattan barateia. Em Miami, ficar na cidade em não em Miami Beach muda o preço e em Las Vegas, não ficar na Strip também dá uma grande diferença. Fiz essas três opções nas cidades onde fiquei e a diferença foi bem grande. Muitas vezes não é só o preço, mas também o conforto que você consegue. Em Miami foi bem isso. Eu troquei ficar em um hotel “furreca” em Miami beach, por ficar em um hotel legal na cidade (Eu estava de carro) então tudo deu muito certo.

Leia aqui o post completo sobre como encontrar hotéis baratos nos EUA.

Resumo dos custos dos Hotéis:

Miami (Runaway Inn): R$184,00
New York (Country Inn): R$ 504,00
Las Vegas: (America Extended Stay): R$475,00
Miami: (Runway Inn): R$552,00
Total com hospedagem: R$1715,00

TOTAL GERAL DA VIAGEM: R$3660,00.

 

Então gente, acho que é isso. Minha experiência mostrou que é possível sim viajar gastando menos.

Vou colocar aqui embaixo os links para cada cidade por onde eu passei, com as dicas de cada lugar.

Se eu esqueci de alguma coisa, por favor deixe sua pergunta que tentarei responder o que estiver dentro da minha capacidade.

Abraços e boa viagem!

 

Tópicos da minha viagem:

Viajem para os EUA – Trecho Curitiba->Guarulhos

Viajem para os EUA – Trecho Guarulhos -> Miami

– Viajem para os EUA – Passando pela Imigração

Viajem para os EUA – Miami

– Viajem para os EUA – Nova York

– Viajem para os EUA – Las Vegas

Viajem para os EUA – Los Angeles